quarta-feira, 11 de março de 2015

MIRANDA-MS Fazendeiro é multado em R$ 2,1 mil por desmatamento


Um proprietário rural, de 67 anos, foi autuado e multado em R$ 2,1 mil nesta segunda-feira (9), por desmatamento e exploração ilegal de madeira, em Miranda (MS). Ele derrubou 7 hectares e agora precisa apresentar um plano de recuperação da área.
Policiais Militares Ambientais realizaram uma fiscalização nas propriedades rurais do município de Miranda e mediram a área desmatada com GPS na propriedade, localizada a 15 km da cidade, e aferiram 7 hectares derrubados.
Dentre a vegetação derrubada, havia árvores de pequeno, médio e grande portes das espécies angico, carvão branco e ipê, das quais a madeira estava sendo transformada em estacas para cerca. No total, 61 estacas e a madeira em toras foram apreendidas.
As atividades foram interditadas e o proprietário da fazenda, que tem domicílio em Miranda foi multado. Ele responderá por crimes ambientais. Pela exploração da madeira, a pena prevista é de seis meses a um ano de detenção. Pelo desmatamento, a pena é de três a seis meses de detenção. O infrator foi notificado a apresentar um Plano de Recuperação de Área Degradada (PRADE), junto ao órgão ambiental.

PRF apreende cargas de maconha e cocaína em rodovias do sul de MS



Em apreensões diferentes, policiais rodoviários federais interceptaram dois carregamentos de drogas na noite de ontem em rodovias que cortam a região de Dourados. Foram apreendidos 300 quilos de maconha em um Gol após perseguição na BR-163 e 63 quilos de cocaína avaliados em R$ 2 milhões que estavam sendo levados para São Paulo. Dois traficantes foram presos.

A primeira apreensão ocorreu na BR-163, entre os municípios de Dourados e Rio Brilhante. Luiz Rocha Araújo, 34, foi preso quando tentava passar pelos policiais carregando 300 quilos de maconha em um Gol roubado em Goiás, que usava placa fria de Campo Grande.
Conforme a PRF, os policiais rodoviários desconfiaram quando uma mulher conduzindo um Renault Scenic passou duas vezes pelo posto localizado na saída de Dourados para Campo Grande, levantando a suspeita de que estaria fazendo o serviço de “batedora” para um carregamento de droga.
Em seguida o Gol se aproximou, mas o condutor não atendeu a ordem de parada e fugiu em direção a Rio Brilhante. Após 50 quilômetros de perseguição, Luiz Araújo perdeu o controle da direção e capotou, já no município de Rio Brilhante. Os tabletes de maconha estavam sob os bancos e no porta-malas do carro. O acusado foi levado para a delegacia da Polícia Federal em Dourados.
Cocaína – Na BR-463, os policiais rodoviários apreenderam pelo menos 63 quilos de cocaína avaliados em R$ 2 milhões. A droga estava no fundo falso de um Fiat Siena com placa de Ponta Porã, conduzido por Edson Luiz, 30 anos, morador em Nova Andradina.
O carro foi interceptado no Posto Capey, no município de Ponta Porã. Edson contou aos policiais que pegou o Siena já preparado com os pacotes de cocaína em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, para levar a droga para São Paulo. Ele informou que receberia R$ 10 mil pelo serviço.

Após motim de detentos do PCC, choque faz pente-fino em presídio



Policiais militares da tropa de choque de Campo Grande e agentes penitenciários fazem na manhã desta terça-feira um pente-fino no presídio de segurança máxima de Dourados, a 233 km da capital. O Campo Grande News apurou que os internos estão retirados e as celas vasculhadas. Os agentes procuram armas e drogas. No início da noite de sexta-feira, presos ligados à facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) se amotinaram no raio II e queimaram vários colchões.

O pelotão de choque saiu por volta de 4h30 da madrugada da capital. A vistoria começou justamente pelo raio II, onde ficam os presos considerados mais perigosos e os integrantes de facções criminosas. Pelo menos 900 dos 2.200 internos da penitenciária ficam nesse pavilhão. Um policial da tropa de choque informou ao Campo Grande News que os internos estão sendo escoltados para fora das celas passivamente e até agora não houve incidentes.
Por enquanto não há detalhes sobre materiais aprendidos nas celas, já que a vistoria é feita pelos agentes penitenciários e os policiais apenas fazem a segurança. A direção do presídio informou que apenas a assessoria de comunicação da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) poderá divulgar detalhes da operação.